• Branco Twitter Ícone
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
 

Crônica #50 | O Cata-vento

A invisível linguagem das vibrações de ondas



Certo dia, uma amiga terapeuta disse que os homens fazem terapias de forma alegre, quando se reúnem num bar ou num clube e que muita coisa não se falaria se estivesse num divã. Ao ouvir isso dei uma gargalhada, achei engraçada tal colocação. Brincando, exclamei que ela entendia o chamado “tomar umas no bar da esquina”.


Depois de tempos, avistando um grupo de amigos rindo e gesticulando em meio a garrafas de cervejas, lembrei da minha amiga e fui lá participar da “terapia” de grupo.


Marmanjões sem camisas, chinelos de dedo nos pés, cabelos grisalhos, barba malfeita, assunto de pescaria e mulheres. Entro na mesma vibração e participo intensamente da sinfonia do vai e vem das conversas. Neto com problemas de drogas, filho envolvido com endividamento financeiro, vizinho que é encrenqueiro, esposa mandona, assuntos do trabalho e uns sobre a vida de aposentado. Aposentado que virou office-boy da “patroa”. Política então nem se fala. E no futebol todos são técnicos. Entre um copo e outro de cerveja, petiscos e movimentos engraçados eles se desabafam. Havia de concordar com minha amiga, com toda razão.


Em meio a muitas risadas percebo a presença de um menino. Próximo ao balcão do bar, sentado numa banqueta alta, estava ele de costas para o alegre grupo, concentrado em alguma coisa.



Curioso como sou fui ver sua atividade, totalmente contrária da bagunça dos idosos. Ele simplesmente desenhava um cata-vento.


Fiquei intrigado.


Não assistia TV, nem mexia no seu celular que estava ao seu lado. Após uma pequena interação, fui buscar um pouco mais a fundo onde o seu pensamento estava pairando. Disse-lhe que se o desenho dele fosse ter movimento, as pás estariam girando com a força do vento.... Sem tempo para falar mais dos detalhes do seu desenho, ele me indaga.



Perdeu a crônica de semana passada? Leia o texto na íntegra clicando aqui: Crônica | Síndrome de Frankenstein



- “O que é um movimento?”

Fiquei a pensar qual seria a melhor resposta... não poderia simplesmente colocar os teoremas da aerodinâmica e muito menos as complicadas equações de matemática. Essa minha busca para uma resposta mais simples parecia uma eternidade...

Pensei e repensei para fazê-lo compreender da melhor forma possível. Antes da minha primeira inspiração ele me diz:


- “Tio, tudo que se mexe tem vida né? É movimento ...”

- “Isso... Grande garoto!”, feliz respondi.


Até há poucos anos, todos acreditavam que a matéria era algo no estado denso, líquido ou gasoso. Entretanto, nas descobertas das interações de átomos, elétrons etc., começaram a concluir que aquele material denso e pesado tinha outra conotação. Apesar de minúsculo, o átomo, partícula unidade última da matéria ocupa um espaço, pois possui o seu volume. Ele, com os nêutrons e prótons constituindo seu núcleo, são formados por um tipo de energia elétrica; então não é difícil deduzir que na sua essência é energia. De tudo o que é constituído por átomos, do micro ao macrocosmo, de um pequeno ser à essência do Universo... em última instância vibra, portanto vibramos. Estamos em movimento, constante e incessante.


Porém, muitos acham que a vida é parada, sem motivação, um horror de sem graça; que “eu não deveria ter nascido, sou fracassada, amargurada etc. etc.”... Esse foi um dos assuntos que surgiram como reclamação da nora de um dos participantes daquele grupo, ali do lado.


Eu estava a pensar na estática da vida daquela pessoa e vem o garotinho inspirar com o movimento. Caminho contrário. Interessante, pensei! Tudo ao nosso redor possui uma dinâmica fabulosa que se manifesta incessantemente, mantendo tudo em movimento, tudo muito ativo e muito vivo. Realidade que não percebemos, pois apenas aparecem os movimentos que constatam nossos olhos físicos. Exato, nossos olhos físicos são capazes de captar uma faixa tão minúscula do espectro eletromagnético que, todo o seu restante fica apenas na nossa imaginação quando pensamos em descrevê-lo.



Mesmo não enxergando, podemos constatar sua existência com muita facilidade, a frequência de uma onda pode ser medida e o resultado dessa medição é a tal da unidade hertz.


Usamos todos os dias e nem percebemos. E o pior é que nem nos questionamos como tudo funciona.


Vejamos dentro da escala do espectro hoje existente; pois existem outras frequências de ondas que fogem do nosso conhecimento atual.

-Ondas de rádio, de televisão: ninguém fica de fora, todos usamos.

-Micro-ondas: estão em todas as cozinhas e nos celulares.

-Infravermelho: muito usado na medicina.

-Luz visível.... essa é a pequenina, minúscula faixa no meio das ondas que conseguimos enxergar, apenas essa.

-Luz ultravioleta: fique no sol e sinta a sua presença.

-RaioX: quem nunca precisou tirar um?

-Raios gama: usados em radioterapia.


Imagina como somos pequenos em relação a essa rede gigante que está transitando por todos os lados, por todos os campos e nós simplesmente inseridos nesse emaranhado sem fim. Na intimidade de tudo temos uma onda, uma medida em hertz... tudo tem uma informação própria.


Eu me senti desafiado pela mente rápida e brilhante do garoto; então perguntei:

- “E as pedras se movimentam?”. Eu já esperando uma reposta pré-estabelecida e óbvia, me surpreendi.

- “Lógico que sim! Minha professora ensinou que a Terra gira em volta do sol” responde o garotinho.

- “Então a pedra tem vida?” Indaguei. Eu, já querendo quebrar o raciocínio dele.

- “Quem inventou a pedra?” Ele logo me questiona.

- “Deus.” Assim eu disse.

- “Então Deus deu vida a tudo?”



Leia este texto também: Crônica | A garotinha de patins



Podemos afirmar que este mundo visível, que podemos chamar de matéria ou além dele, de mente, de energia, se originou de uma única causa. Então por trás de todas as criações, sejam elas possuidoras de forma, energia ou mesmo uma Lei; existe um “único elemento”. Que podemos chamar de Deus, de Todo, de Criador, de Inteligência.


Ninguém sabe onde Ele está, mas o Universo na sua perfeição, num sincronismo de total ordem em todos os minúsculos detalhes, nos mostra a sua absoluta e inquestionável grandeza.


Dentro da razão cósmica do garotinho, eu me entreguei.

Realmente a pedra segue um movimento de rotação e translação. Ela se move em relação ao sistema solar.


Imaginem agora numa esfera um pouco menor...