top of page

neonews, neoriginals e ClasTech são marcas neoCompany. neoCompany Ltda. Todos os direitos reservados.

  • LinkedIn
  • Youtube

neonews, neoriginals e ClasTech são marcas neoCompany.

neoCompany ltda. Todos os direitos reservados.

Entre em contato com o neonews

Tem alguma sugestão de pauta, eventos ou deseja apenas fazer uma crítica ou sugestão, manda um email pra gente.

  • Foto do escritorOtavio Yagima

Crônica #35 | Espelho

Atualizado: 23 de nov. de 2023

O espelho nos devolve o que vemos ou o que imaginamos?




Num canteiro de obras, e no intervalo do almoço, alguns trabalhadores jogavam bola num campinho improvisado. Outros reunidos em grupinhos batiam um bom papo. Outros, deitados com o capacete sobre os olhos, tiravam um cochilo sob uma sombra. Observei um grupinho de três trabalhadores que estavam sentados sobre alguns blocos e em círculo; seus olhares concentrados apontavam o chão. Estavam sérios, e de repente, deram altas gargalhadas elevando suas cabeças. A atitude do grupo me chamou a atenção. Deixei meu capacete sobre a mesa e fui ao encontro do evento. Vi um pedaço pequeno de espelho quebrado no chão, no centro do círculo. Entre os três, o mais jovem era falante e engraçado. Entre uma piada e outra ele diz:


- “Olha só esse cara aqui ó. Esse bonitão não consegue nem uma namorada. Pode isso?”


Em tom de brincadeira ele exclama para o espelho, e os três davam risadas da conversa dele apontando para ele mesmo. Ele continuou assim, falando e rindo dos fatos que aconteceram nesses tempos de sua vida, nessa tão almejada São Paulo, terra dos sonhos e da busca de riqueza.

Achei engraçada essa atitude dele e sua espontaneidade era algo muito contagiante. A sua voz e o seu sotaque ecoavam de forma um tanto desarmônica, mas ecoava junto uma leveza e uma alegria tão irradiante que não pude deixar de me sentir atraído.



Ele não tinha beleza física de um galã, e tampouco era bonitão como havia exclamado para o espelho.


Percebi que aquele garoto, ainda que em tom de brincadeira, fazia naquele exato momento uma profunda reflexão de si mesmo, trazendo à tona todas as suas frustrações e desejos ainda não realizados.


- “Meu amigo, você é louco mesmo, fica aí conversando com espelho. Você já ficou doido, igual essa cidade maluca!”. - Assim fala, também com forte sotaque, um dos outros rapazes.


O garoto, sem se importar com a crítica do seu colega de trabalho, continua insistentemente sua conversa com o espelho. Num determinado momento ele se levanta e, cantando uma música começa a dançar; pega o seu capacete e bate nele como se fosse num tamborim. Num ritmo animado os outros dois entram na mesma vibração e acompanham sua apresentação.


Ele se senta novamente, e agora na posição de cócoras apoia o queixo no joelho, e prossegue seu monólogo. Seu semblante muda. Eu me sento num lugar um pouco deslocado, porém o suficiente para ouvir e acompanhar a interessante conversa entre eles. Comenta da sua infância no sertão quando cuidava dos bodes, das galinhas e da lavoura para o sustento da sua família. Comenta também que para ir à escola com seu irmão, precisava de uma hora de caminhada pelas estradas de terra. Leite de cabra, macaxeira plantada, água de poço distante; fala da pequena casa em que morava com seus pais e sete irmãos.


Que, com aquela música que cantou, dançava forró com alguns dos poucos amigos vizinhos que se reuniam, em festa de São João. Entre um argumento e outro, ele manteve um monólogo constante e ininterrupto com o seu outro “eu”, refletido no pedaço de espelho.



Toca a sirene sinalizando o fim do intervalo do almoço.


O garoto pega o pedaço de espelho e o joga na caçamba de entulhos. Assim se encerra o momento revivido de uma parte da sua vida “projetada” no espelho, e compartilhada com seus colegas de trabalho. Os três caminham em direção às suas tarefas ficando para trás, jogado no meio dos entulhos, o espelho que fez surgir aquele curioso e momento único, na vida deles. Eles seguirão suas vidas, e como será que levarão esses momentos vividos dessa forma tão peculiar? Será que refletirão, individualmente?


E aquele espelho? Quantas histórias e imagens devem ter passado diante dele? Quantos sorrisos, quantos olhares contemplativos, quantas lágrimas silenciosas deve ter presenciado? Quantos e quantos olhares foram refletidos nele...


Vivenciei junto com os rapazes uma grande lição, me tocou muito presenciar aquele “desabafo” do garoto do sertão.


O garoto ficou envolvido na sua existência do passado e trouxe à tona os momentos de lembranças, ora felizes ora tristes, ora engraçadas. O espelho apenas absorveu suas palavras, emoções e sentimentos. Não emitiu quaisquer críticas e muito menos deixou palavras de aconselhamento. Ouviu quieto, e calado ficou durante o desabafo. O espelho não demonstrou arrependimento e nem expôs seu sofrimento para com os outros. Guardou tudo e foi lançado para o vazio.


O garoto não percebeu que o espelho refletiu não somente a sua imagem, mas no fundo também mostrou o infinito céu azul, mostrou as nuvens que passavam livremente, e mostrou também o reflexo da luz do sol; demonstrando que a sua vida está inserida em torno de muitas outras referências ainda maiores, e é assim banhada por infinitas preciosas possibilidades. Possibilidades que se abrem e se materializam conforme o desejo e despertar de cada um.



Assim, esse pequeno pedaço de espelho pode nos mostrar que mesmo absorvendo, não precisamos reter as mágoas, tristezas e pesares da vida. Existem momentos marcantes e difíceis de serem deletados, porém possíveis de serem superados.

Como uma imagem refletida no espelho, como uma ilusão que na verdade é; aqui neste plano tudo é passageiro, tão passageiro que mais se assemelha com uma rápida projeção holográfica. Quando dermos conta já se apagou, já passou, ficou para trás, “não existe mais”.


E daí o que ficou foi o reflexo, como o reflexo da imagem dentro do espelho, que parece existir, mas não existe.


Temos um Universo que nos acolhe e nos envolve; estamos inseridos e banhados numa corrente fluídica imersa no infinito fluido universal, nos ligando uns aos outros, todos em um e um ao Todo, ao nosso Criador.




Ao incorporarmos isso, de forma plena e absoluta, estaremos em estado irradiante. Projetaremos apenas luz, não mais imagens... apenas Luz,


SIMPLESMENTE LUZ!






















 

Confira essa crônica também em formato de Podcast!



 

Você já seguiu as Crônicas no Instagram?



Comments


bottom of page