top of page

neonews, neoriginals e ClasTech são marcas neoCompany. neoCompany Ltda. Todos os direitos reservados.

  • LinkedIn
  • Youtube

neonews, neoriginals e ClasTech são marcas neoCompany.

neoCompany ltda. Todos os direitos reservados.

Entre em contato com o neonews

Tem alguma sugestão de pauta, eventos ou deseja apenas fazer uma crítica ou sugestão, manda um email pra gente.

  • Foto do escritorRedação neonews

Crítica | Jogos Mortais X

Jogos Mortais X é uma tentativa de renovação em um gênero desgastado


Jigsaw em cena do filme jogos mortais x

(Foto: Divulgação)


“Jogos Mortais X”, o décimo capítulo da icônica franquia de terror, é uma tentativa audaciosa de reviver uma série que há muito tempo se estendeu além de sua glória inicial. Com Tobin Bell reprisando seu papel icônico como John Kramer, o filme busca trazer uma nova perspectiva à história ao explorar eventos que ocorreram entre os primeiros dois filmes da série. No entanto, a tentativa de renovar uma fórmula desgastada revela tanto momentos de inspiração quanto a inevitável sensação de cansaço.


Uma das características mais marcantes de Jogos Mortais X é a maneira como os personagens tratam John Kramer com reverência, sem saber que ele é o infame Jigsaw. Isso cria uma estranha e involuntária dose de humor, já que o nome de Kramer é pronunciado com solenidade, lembrando a notoriedade de personagens como James Bond. Essa abordagem peculiar adiciona uma camada inesperada ao filme e levanta questões sobre mitificação e identidade, mesmo em meio a um cenário de terror.


Tobin Bell, agora com 81 anos, oferece uma performance visualmente impactante, capturando a fragilidade de seu personagem de uma maneira que se encaixa perfeitamente no universo sombrio de Jogos Mortais. Sua capacidade de infundir gravidade nas falas clássicas de Jigsaw renova brevemente o que a franquia ainda pode oferecer em termos de carisma e presença.


No entanto, o filme luta para encontrar seu lugar em um gênero que passou por muitas mudanças desde os dias de glória do "torture porn" nos anos 2000. “Jogos Mortais X” às vezes parece preso em suas próprias fórmulas, apesar de tentar se reinventar. Os momentos mais impactantes ocorrem quando o filme desafia sua própria essência, como na cena do intestino ou no clímax com o monólogo da vilã que menospreza Jigsaw. Nessas ocasiões, o filme adota uma abordagem autorreflexiva que sugere uma tentativa de se reinventar.


Ainda assim, no geral, a busca por autodestruição e iconoclastia acaba diluída em meio à solenidade e à melancolia típica das franquias que atingiram estágios avançados. A necessidade de continuar a saga é evidente, mas a nostalgia também começa a desempenhar um papel significativo. A troca de olhares entre John e Amanda, por exemplo, não se assemelha a um relacionamento romântico, mas sim a dois funcionários remanescentes de uma empresa em declínio, discutindo em silêncio quem vai desligar a luz.


A visão do filme sob a perspectiva do sentimentalismo e da mitificação ajuda a enriquecê-lo, fornecendo uma camada mais profunda de análise. No entanto, a sensação predominante é a de que “Jogos Mortais X” está lutando para se encaixar em um gênero que evoluiu consideravelmente desde sua estreia. Apesar de alguns momentos de destaque e a tentativa de revitalização, o filme, em última análise, deixa claro que a franquia está lidando com desafios significativos à medida que envelhece.



 

Publicidade

 

Veja também: Percy Jackson | Confira tudo sobre a série da Disney

Comments


bottom of page