top of page

neonews, neoriginals e ClasTech são marcas neoCompany. neoCompany Ltda. Todos os direitos reservados.

  • LinkedIn
  • Youtube

neonews, neoriginals e ClasTech são marcas neoCompany.

neoCompany ltda. Todos os direitos reservados.

Entre em contato com o neonews

Tem alguma sugestão de pauta, eventos ou deseja apenas fazer uma crítica ou sugestão, manda um email pra gente.

  • Foto do escritorRedação neonews

Crítica | Godzilla e Kong: O Novo Império

O encontro épico entre os gigantes Godzilla e Kong do Monsterverse oscila entre o espetáculo exagerado e a falta de originalidade


Godzilla e Kong: O Novo Império
Godzilla e Kong

(Foto: Divulgação)


Desde sua última aparição nas telonas, faz uma década, o universo cinematográfico dos monstros Godzilla e King Kong passou por transformações significativas. No entanto, em "Godzilla e Kong: O Novo Império", dirigido por Gareth Edwards, a nostalgia parece prevalecer sobre a inovação. O filme não se preocupa em criar suspense ou desenvolver personagens complexos, optando por priorizar o puro entretenimento dos confrontos entre os titãs.


Após uma década e cinco longas-metragens, o Monsterverse finalmente assume seu lugar como sucessor do espaço outrora ocupado pelos filmes de "Transformers". A narrativa deixa de lado o espanto inicial com os kaijus para se concentrar em duelos épicos, nos quais a destruição resultante parece perder sua gravidade. O filme, embora repleto de ação acrobática e monstros colossais, falha em criar uma sensação de perigo iminente ou consequências significativas para suas batalhas.


Enquanto "Pacific Rim" já explorava o lado lúdico dessas narrativas em 2013, "Godzilla e Kong: O Novo Império" chega tarde ao jogo, compensando com uma multiplicação de monstros e soluções de luta cada vez mais extravagantes. A presença de tantos gigantes acaba relegando os protagonistas humanos a segundo plano, tornando-os meros instrumentos de exposição para a trama.


No entanto, o filme se beneficia do contrato estabelecido com o público, no qual o exagero é esperado e até mesmo bem-vindo. Elementos como uma civilização perdida vivendo dentro da Terra ou comunicação telepática com primatas gigantes tornam-se aceitáveis dentro do universo estabelecido. Os personagens humanos, por sua vez, oscilam entre o cartunesco e o burocrático, com atuações que variam em seu grau de adequação ao tom do filme.


O ponto alto de "Godzilla e Kong: O Novo Império" reside em suas cenas silenciosas, especialmente aquelas que mostram a interação de Kong com outros primatas descobertos no centro da Terra. No entanto, o filme muitas vezes se perde em sua própria falta de coesão narrativa, introduzindo reviravoltas sem muito embasamento lógico e buscando constantemente novidades para manter a atenção do público.


No geral, "Godzilla e Kong: O Novo Império" oferece um passeio de parque de diversões repleto de adrenalina, mas falha em criar uma experiência verdadeiramente memorável. Com um enredo que prioriza a espetacularidade em detrimento da originalidade, o filme se esforça para oferecer algo além de um entretenimento passageiro, deixando os espectadores ansiosos por uma abordagem mais ousada e criativa para o futuro do Monsterverse.


 

Ficha técnica


Nome: Godzilla e Kong: O Novo Império

Tipo: Filme

Onde assistir: Cinema

Categoria Ação/Ficção Científica

Duração 1h 55m

Nota 2/5


 

Comments


bottom of page