• Branco Twitter Ícone
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
 
Publicidade

Crítica | "Assassination Nation"

Atualizado: 17 de mai.

Gore, feminismo, o fim da privacidade e a justiça política na América


Da direita para esquerda: atrizes Abra (Em), Suki Waterhouse (Sarah), Odessa Young (Lily) e Hari Nef (Bex) em "Assassination Nation" (2018). Créditos: Neon Company.


Antes de explorar um retrato mais realista de adolescentes na idade moderna com a série "Euphoria" da HBO, em 2018, o diretor Sam Levinson se aventurou a explorar temas semelhantes, mas em uma abordagem mais pesada e sangrenta de questões como saúde mental, a erosão da privacidade dada o poder de midias sociais sobre nós, os preconceitos sociais e, mais importante: como as revoltas políticas se tornam violentas devido a ideais falhos de moralidade.


“Assassination Nation”, é um filme de ação / suspense que conta a história de quatro adolescentes que são perseguidas por uma cidade inteira após serem falsamente acusadas de vazar informações privadas de toda a cidade de Salem, nos Estados Unidos, o que estimula assassinatos desenfreados e devastação na área. As quatro amigas, Lily (Odessa Young), Sarah (Suki Waterhouse), Em (Abra) e Bex (Hari Nef) são personagens com seus próprios problemas pessoais e são escritas de forma a transmitir tópicos importantes como: aborto, direitos de pessoas transexuais, racismo, pornografia como vingança. E tudo isso no contexto da América moderna. O cenário social em que o filme estreou também é importante. Em 2018, Donald Trump ainda era presidente dos Estados Unidos. Para todas as mentes sãs, a maioria se lembra das políticas e da cultura conservadora da multidão violenta afirmadas por Trump em seus dias de glória. Mais importante, o filme não pinta um quadro colorido do processo de amadurecimento, do qual a juventude está mais do que cansada. Principalmente em um ambiente distante do mundo dos tons pastéis.


Da direita para esquerda: atrizes Odessa Young (Lily), Suki Waterhouse (Sarah), Abra (Em) e Hari Nef (Bex) em "Assassiantion Nation" (2018). Créditos: Neon Company.


Como Norte Americano, o diretor Sam Levinson afirmou que o filme era um exagero necessário do estado em que se encontrava o país. Sua filha nasceu na época, e o diretor se preocupava com o mundo em que sua filha iria crescer. Principalmente como mulher. Ao misturar a estética da famosa rede social no começo da era passada, Tumblr, com violência, “Assassination Nation” mais do que qualquer coisa é um aviso feito pelo diretor para aumentar a conscientização sobre a cultura e a violência da internet que se torna violenta na vida real.


O que é mais intrigante sobre o filme é o seu desafio de inserir cargas de discussão no intervalo de tempo de cerca de 1h e 30 minutos, em que o espectador recua tantas vezes dada a precisão apresentada a eles em relação a assuntos escuros e complexos. O filme está carregado com avisos de gatilho. Logo nos primeiros minutos já somos avisados dos temas explorados em letras maiúsculas enquanto cenas frenéticas e inquietantes são mostradas.


Atrizes Suki Waterhouse (Sarah) e Abra (Em) em "Assassination Nation" (2018). Créditos: Neon Company.


O filme poderia ser descrito como uma fórmula pré-calculada entre a série de filmes “The Purge” e, claro, “Euphoria”, embora esta só fosse lançada no final de 2019. E o mais interessante, é como o filme acena para o modelo de violência exibido por Quentin Tarantino. Uma mistura de riso agressivo em face do perigo espalhado por sangue escuro derramado por todo o filme.


Na época de seu lançamento, o filme recebeu grandes críticas - assim como quase tudo que é brilhante e à frente de seu tempo - por sua denúncia transgressora da hipocrisia da sociedade americana, no caso de “Assassination Nation”, no que diz respeito às mulheres. Os quatro protagonistas, assim como todo adolescente de sempre, tem seus defeitos e deficiências, porém, o filme reflete o comportamento apresentado por idosos, principalmente homens na internet, que é de natureza abusiva e mordaz para com os jovens. “Yo, quem olha para uma foto vazada de uma garota e pensa -‘ Eu tenho que matar ela? ’”, questiona a personagem principal, Lily, depois de ser perseguida por homens adultos quando seus vídeos pessoais são compartilhados por toda a cidade. Claro que a frase é um sarcasmo direto e referência para uma realidade bastante infeliz.


gif

Filme "Assassination Nation" (2018). Créditos: Neon Company.


Por sua exploração de temas sexismo, classismo, masculinidade tóxica, homofobia, uso claro de armas e drogas ilegais, nacionalismo, o olhar masculino e outros tópicos mencionados, a maior deficiência de “Assassination Nation” é seu fim. O desejo de explorar muitos temas impede que a trama chegue a uma conclusão decisiva, deixando o espectador vagar sobre o que aconteceu com nossos personagens principais depois que elas conseguem a sua vez de enfrentar a sociedade que deseja matá-las, moralmente e biologicamente. O final do filme insinua que uma sequência seria muito necessária, mas isso aconteceu desde então. Bom, ainda.


Felizmente, desde que foi adicionado ao catálogo da Netlix este ano, o filme tem recebido cada vez mais atenção por sua autoconsciência de seu entorno no mundo real. Desde 2018 quando estreou, as discussões sobre justiça social têm estado no centro de muitas produções atuais. E por sua caracterização real e crua da sociedade americana, o filme está finalmente ganhando seu momento no espectro popular de como não ser surdo ou cego para a atual - bom, neste caso, passado - desastres sociais.


Confira o trailer